Sem comunicação forte não há eliminação de nenhuma doença

0
27
Visualizações

Em dos assuntos mais falados na reunião de retorno da Comissão Nacional de HIV/Aids, Tuberculose, Hepatites e Infecções Sexualmente Transmissíveis (Cnaids) foi a necessidade de maiores investimentos na formulação de uma política de comunicação e saúde, que apoie a arrojada meta de eliminação dessas patologias como problema de saúde pública. Depois de cinco anos de silêncio, a comissão voltou e deu destaque a esse tema, destacando pontos que vão desde a dificuldade de divulgação de ações de governo até a necessidade de incrementar ações e programas sintonizados com a realidade das populações mais vulnerabilizadas.

O Programa Brasil Saudável, lançado em fevereiro deste ano, prevê a eliminação das doenças determinadas socialmente enquanto problemas de saúde pública e está alinhado às diretrizes e metas da Agenda 2030. Mas sua efetivação somente acontecerá quando as políticas de comunicação forem sintonizadas com os objetivos deste programa. As ações devem ir além da propaganda oficial, mas se voltarem para um trabalho de ligação entre a gestão pública e a população, adaptando linguagens e estratégias para alcançarem os objetivos propostos.

Considerando o grande número de população jovem infectada pelo HIV, é incompreensível que o Departamento que abriga as políticas de HIV/Aids não tenha mais um site ou redes sociais para o alcance deste e outros grupos sociais, situação que era diferente há alguns anos e que gerava grande procura e engajamento. Além disto, a decisão política de centralização das ações comunicacionais afasta as peculiaridades necessárias para que se atinja os públicos que se quer. Desde a informação geral, que embasa a repercussão em graus menores, até a consolidação de mensagens nos diversos níveis de recepção as decisões precisam ter a participação efetiva de grupos afetados, de pessoas e comunidades atingidas e, assim, refletir a realidade a qual estão inseridas, muitas vezes longe da alegria e beleza apresentado nas campanhas publicitárias.

Sabemos que comunicação é poder e que, num governo de coalizão, as disputas políticas são constantes, situações próprias da realidade brasileira. No entanto, a definição de estratégias deve estar acima destas questões, valorizando sempre a ciência e o repasse de informações técnicas, mas também inferindo diretamente onde estas questões não chegam. Para isto somente com definições políticas atingiremos os objetivos de eliminação das patologias elencadas no Brasil Saudável e deixaremos uma efetiva contribuição à Saúde Pública nacional.

* Liandro Lindner é jornalista, professor universitário, doutor em Saúde Pública e membro da Cnaids.

 

Fonte: https://agenciaaids.com.br/